sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Traduções de meus poemas numa revista literária de São Petersburgo (Rússia)

(Traduções de Ekaterina Balakhonova. Clique acima para ampliar a revista escaneada.)

Os poemas que foram traduzidos, retirados do meu site, abaixo. 3 desses foram publicados na revista literária "Sfinks" ("Esfinge"): "Não pise na grama", "Culpa" e "Vice-Rei".


NÃO PISE NA GRAMA

Placa inútil e amarela:
"Não pise na grama."

Amarela
pela ausência de girassóis.

Inútil
porque não tenho os pés no chão.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro TUDO PELOS ARES)


TUDO PELOS ARES

Somos anjos perdidos.
Asas mortas no chão
desde a primeira audição
da palavra impossível.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro TUDO PELOS ARES)


JANEIRO

O dourado vence o vermelho
no dia nascente.
A revanche: o crepúsculo.

Verão.
Estação de sonhos e ócio.
Já cheira a saudade
antes de esquentar.

Provar as bênçãos
dos bons arcanjos
em trajes de banho
sobre a areia branca

e a irregularidade
dos horizontes
das cidades
do interior
da alma.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro TUDO PELOS ARES)


TANGO MIO

Perdi o passo.
Sem equilíbrio,
pisei no pé do caos.

Meu ócio antigo
se embriagava no bar,
cercado de inimigos.

O sonho não realizado
fumava-se, cabisbaixo,
num degrau abaixo.

Adivinhei minha esperança inteira
lá fora, no beco de Bandeira,
mendigando.

Ah, se em minha alma
tocasse funk...

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro NA MEDIDA DO IMPOSSÍVEL)


REVELAÇÃO

Eu me esqueci no armário.

Pensei estar vivendo,
estudando, trabalhando, sendo!

Pensei ter amado e odiado,
aprendido e ensinado,
fugido e lutado,
confundido e explicado.

Mas hoje, surpreso,
me vi no armário embutido
calado, sozinho, perdido, parado.

Fabio Rochawww.fabiorocha.com.br
(do livro NA MEDIDA DO IMPOSSÍVEL)


INFÂNCIA

No vento,
Pedrinho perdeu
sua sombra.

- Cadê tua sombra, menino?
Gritou a mãe.

- Só não perde a cabeça porque está presa no pescoço.
Disse a vó.

Pedrinho ria a danar.

Depois foi estudar
enquanto a sombra brincava
de ser noite.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro PRALARVAS)


VICE-REI

Eu sempre estendi as mãos
para as borboletas...

Abria os braços
para o passado saudoso...
para o futuro sonhado...
mas nunca tocaram em mim.

Hoje, fiquei imóvel
e uma pousou no meu pé.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro VICE-REI)


PAPEL

De todo o silêncio
ouço só o esplêndido
silêncio das árvores.

Pois o silêncio de quem fala
e cala
é incompleto.

Por isso, ouço o silêncio
distante
das árvores que nunca vi.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro CAMINHO A MANHÃ)


WINDOW

Sou cavaleiro sem donzela
e meu escudo é uma tela.
Se eu não pensasse nela...
Suo frio na capela
se há casamento na novela.
Se eu não pensasse nela...
Sonho meu que não é meu:
já sonhava Romeu.
- Quem sonha? Ela ou eu?

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro A MAGIA DA POESIA)


UMBRAL

Estou trancado.
Lá fora
leões
que amo.
A casa encolheu
ou eu que cresci?
Estou armado até os dentes.
Eles têm fome.
Ouço seus rugidos.
(Algo em mim quer ser um monstro.)
Cansado de ferimentos
olho para a porta
a chave pesando a mão.

Fabio Rocha www.fabiorocha.com.br
(do livro O OUTRO )



CULPA

Meus passeios
poluem o mundo.

Para ler,
gasto a luz de cidades inundadas.

A geladeira
esburaca a camada de ozônio.

Banhos longos
desertificam o planeta.

Para comer, beber, viver
gasto dinheiro (que nem ganhei).

Meus poemas
derrubam árvores.

Fabio Rocha 
www.fabiorocha.com.br
(do livro TUDO PELOS ARES)


OBS: Assim que soube dessas traduções de meus poemas pra língua de Maiakóvski, postei este
poema.

4 comentários:

Priscila Rôde disse...

Poeta,
que maravilha!

AL-Chaer disse...

PA-RA-BÉNS !!!

Caríssimo Poeta Fábio Rocha,

Fico feliz e orgulhoso por você e pela sua poesia.

Grande AL-Braço
AL-Chaer

Ígor Andrade disse...

Fico feliz por você,mano!
Abraço!

Fabio Rocha disse...

Obrigado, amigos!